fechar
partilhar
 
fechar
 

Modelo de Governo 
 

O nosso modelo de governo societário distingue-se pela relação responsável e transparente entre os acionistas, órgãos sociais e demais stakeholders.

O nosso modelo de governo societário, na relação entre a Galp e as suas partes interessadas, rege-se por um conjunto de princípios que visam a transparência e a eficácia na execução da estratégia corporativa e na criação de valor.

 

Neste sentido, existe uma clara separação entre os poderes dos vários órgãos sociais, nomeadamente entre os poderes do Conselho de Administração (CA), que agrega funções em matéria de definição estratégica, acompanhamento da gestão, de supervisão e controlo, e os poderes da Comissão Executiva (CE).  Os poderes desta última em matéria de gestão corrente das unidades de negócio e do Centro Corporativo foram-lhe delegados pelo Conselho de Administração.

 

O modelo em vigor compreende ainda uma estrutura de fiscalização reforçada, que integra o Conselho Fiscal e o Revisor Oficial de Contas (ROC), bem como um Secretário da Sociedade, encarregue do apoio especializado aos órgãos sociais.

 

 

Modelo de governo e estrutura orgânica da Galp

A atual estrutura orgânica da Galp assenta em cinco unidades de negócio, uma unidade de serviços corporativos e uma unidade de direções centrais, sob a liderança e orientação de cada um dos administradores executivos e de acordo com a distribuição de pelouros aprovada pelo Conselho de Administração.

 

Os princípios orientadores da estrutura orgânica e funcional da nossa Empresa são a horizontalidade, a flexibilidade, a simplicidade, a eficiência e a delegação de responsabilidades. Damos assim resposta ao objetivo de criar valor para os acionistas, nomeadamente através da captação de sinergias nas unidades de negócio e entre as mesmas. 

 

 

  

 

Composição e natureza dos órgãos sociais

A Galp atua através dos respetivos órgãos sociais, com competências distintas em matéria de administração e fiscalização da atividade societária. Os órgãos sociais da Galp Energia são eleitos em Assembleia Geral (AG) para mandatos de quatro anos.

 

O Conselho de Administração da Galp, eleito em 2015 para o período 2015-2018, sofreu alterações em 2016. É atualmente composto por 19 administradores, dos quais 12 são não executivos, incluindo a Presidente do CA. Dos 12 administradores não executivos, no qual se incluem três mulheres, cinco membros são considerados independentes.

 

 

Conselho de Administração da Galp
Total Mulheres Homens

 Administradores executivos

 

7 0 7

 Administradores não executivos

(inclui a Presidente do CA)

 

12 * 3 9

  * 5 membros são considerados independentes

 

 Conheça o detalhe sobre as competências e natureza dos principais órgãos sociais da Galp e as reuniões realizadas.

 

 

Comissões especializadas

A Galp dispõe de diversas comissões especializadas que ajudam à gestão diária da Empresa, através da implementação e garantia de certas práticas e princípios intrínsecos à nossa estratégia corporativa, nomeadamente: sustentabilidade, gestão de risco, ética e conduta, entre outras. 

 

Comissões especializadas

Descrição

Comité de Sustentabilidade

Tem como missão coadjuvar o CA e a CE na integração dos princípios de sustentabilidade no processo de gestão do Grupo Galp, promovendo as melhores práticas do setor em todas as suas atividades. É presidido pelo Vice-presidente independente do Conselho de Administração e composto pelos seguintes membros permanentes: Presidente da Comissão Executiva (CEO), Administrador Executivo, com o pelouro das Direções de AQS e Sustentabilidade (Chief Sustainability Officer) e Gestão de Risco (Chief Risk Officer), Administrador Executivo financeiro (CFO), Responsável pela Direção Corporativa de Ambiente, Qualidade, Segurança e Energia (AQSS) (Secretário do CS) e os Responsáveis de 1.ª Linha das Unidades Operacionais.
O Comité de Sustentabilidade reúne, pelo menos, de forma trimestral.

 

Saiba mais sobre o Comité de Sustentabilidade

Comissão de Gestão de Risco

Apoia e monitoriza a definição e execução da estratégia e política de gestão de risco da nossa Empresa, em articulação com a direção de Gestão de Risco e os responsáveis pelas unidades de gestão da Empresa.

Conselho de Ambiente, Qualidade e Segurança (AQS)

Apoia a Comissão Executiva na promoção dos princípios que sustentam a cultura AQS da Galp através de uma liderança firme e consistente garantindo a aplicação das políticas e objetivos estratégicos de AQS. É presidido pelo Administrador Executivo, com o pelouro das Direções de AQS e Sustentabilidade (Chief Sustainability Officer) e Gestão de Risco (Chief Risk Officer) e composto pelo Responsável pela Direção Corporativa de AQSS (Secretário do CS) e os Responsáveis de 1.ª Linha das Unidades Operacionais.

Comissão de Ética e Conduta

Tem por atribuição monitorizar a implementação do Código de Ética e Conduta, bem como acompanhar e esclarecer dúvidas, e receber e tratar informações que respeitem a alegadas irregularidades. Compete-lhe igualmente a promoção da formação dos colaboradores nestas matérias.

Comissões de Regulação. Pricing, Risco e Gas & Power

Três comités que acompanham não só os assuntos regulatórios, informação de mercado e os temas de gestão de risco, como também o controlo interno da atividade de distribuição de gás natural e de eletricidade.

 

  

Nomeação dos membros do CA

Como referido, os membros do CA são eleitos pela AG. Em caso de falta definitiva ou impedimento temporário de algum dos membros, compete a este órgão proceder à respetiva substituição através de cooptação, devendo submetê-la a ratificação na AG seguinte. A proposta de eleição dos membros é apresentada sob a forma de listas, de acordo com a lei e os estatutos da nossa Empresa, com indicação dos acionistas proponentes, incidindo o voto apenas sobre estas.

 

Em face do enquadramento jurídico nacional relativo às sociedades anónimas emitentes de valores mobiliários, o  Código das Sociedades Comerciais (CSC) e o Código de Governo Societário (CGS) da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), na Galp não dispomos de uma Comissão de Nomeações.

 

Com efeito, e apesar de não haver um impedimento jurídico relativamente à sua existência per se, impõe-se que uma tal Comissão não se possa substituir à competência dos acionistas na eleição dos membros do CA (conforme o artigo 391.º n.º 1 do CSC). Deste modo, em Portugal, uma Comissão de Nomeações constituiria um órgão meramente consultivo, não podendo dotar-se, por isso, das competências que são reconhecidas, noutros ordenamentos jurídicos, como boas práticas de governo.

 

 

Avaliação de desempenho e compensações 

A avaliação independente de desempenho dos administradores, executivos e não executivos, é assegurada, anualmente, pela Comissão de Remunerações. Esta recorre à auscultação dos membros não executivos quanto ao desempenho qualitativo dos executivos e baseia-se no cumprimento de objetivos económicos, financeiros e operacionais quanto à avaliação quantitativa, conforme definido anualmente pela Política de Remunerações da Sociedade.

 

Também os acionistas, reunidos em AG e no âmbito da sua competência prevista no número 1 do artigo 376.º do CSC, procedem anualmente à apreciação geral da administração da Sociedade em geral, e de cada um dos administradores em particular. Daqui decorre a atribuição de um voto de louvor, confiança ou desconfiança, consoante a natureza da apreciação, que poderá levar à destituição de um ou mais administradores. Adicionalmente, o auditor externo verifica a aplicação das políticas e dos sistemas de remunerações dos órgãos sociais.

 

A Política de Remunerações é proposta pela Comissão de Remunerações, considerando as recomendações da CMVM e as melhores práticas de governo societário. É revista anualmente e aprovada em AG, e rege-se por três grandes princípios gerais, visando o interesse, a cultura e a estratégia de longo prazo da nossa Empresa.

 

A Política de Remunerações estabelece, assim, uma remuneração mensal fixa, acrescida de uma remuneração variável com uma componente anual e outra trianual. Não existem atualmente planos de atribuição de ações ou de opções de aquisição de ações em vigor na Sociedade.

 

 

Consulte informação detalhada sobre a Política de Remuneração e remunerações auferidas pelos órgãos sociais nos Relatórios de Governo Societário da Galp.

 

    

 

Links relacionados


Consulte informação mais detalhada sobre os órgãos sociais da Galp e sobre a sua composição no mandato atual na página de Governo Corporativo no Canal do Investidor da Galp.

 



Atualizado em: 21 Fev 2017

Ação Galp Energia

+ informação »

 

Políticas e Códigos

 

Consulte os nossos relatórios

 
= igual a